domingo, 29 de janeiro de 2017

Série Eletrônica - Parte 7

Olá pessoal, após muito tempo depois da última postagem da série de eletrônica, hoje vamos a mais um item que julgo importante estar aqui, trata-se da protoboard, a "placa de ensaio" ou "matriz de contatos" (ou breadboard, sim, tudo a mesma coisa).
A protoboard é um dispositivo que facilita a prototipagem de um circuito que pode ser facilmente testado e modificado. A figura a seguir ilustra o layout tipico de uma protoboard:
As linhas inferiores e superiores são interligadas para fornecer alimentacão ao projeto, os conjuntos superior e inferior são separados a uma distância que CIs podem ser encaixados sem dificuldades.
Variam muito de preço e tamanho, aqui uma foto das minhas (eu cortei uma em 4 pedaços pequenos e transformei em minis protoboards):
A grande vantagem de montar um circuito em um protoboard é a facilidade de modificar o circuito de acordo com a necessidade no momento, também sendo possível fazer medições de tensão e corrente em cada ponto do circuito.
Para ler mais sobre as protoboard e aprender mais sobre os cuidados na montagem de projetos recomendo a leitura do capitulo 2, item 2.10.3 do livro: Alciatore, David G. Introdução à mecatrônica e aos sistemas de medições. 4 ed. Porto Alegre, editora AMGH, 2014, 558p.
Alias, esse livro eu já indiquei aqui na seção "bibliografia sugerida".
Por hoje é isso pessoal, um abraço e até a próxima.

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

indicação de livro número 8

Olá pessoal, na postagem de hoje venho indicar um livro mais avançado, a bibliografia sugerida nº 3 foi de livros básicos de física a nível de ensino médio, a de hoje faz parte de livros a nível de graduação (ou cursos técnicos também).
Trata-se do livro: "Introdução à Mecatrônica e aos Sistemas de Medições" do Histand, a 4ª edição.
Esse livro aborda de forma bem aprofundada itens como análise de circuitos de corrente alternada, semicondutores, usos de op-amp (amplificador operacional), programação de microcontroladores (PIC), sensores, atuadores, sistemas mecatrônicos entre outros. A editora disponibiliza a versão completa do sumário, para acessar clique aqui.
Este livro é para aqueles que buscam mais conhecimento no assunto, que querem se aprofundar bastante mas fica aqui a indicação.
Por hoje é isso pessoal, um abraço e até a próxima.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Mini fonte para testes

Ola pessoal, há muito tempo atrás comprei uns módulos dc-dc no aliexpress, e um estava aqui parado, com minha nova fonte de bancada posso testar tudo, mas as vezes preciso testar um led ou um pequeno motor DC e não vale a pena ligar a fonte toda para esse pequeno teste de alguns segundos (sem medições, apenas testar funcionamento/polaridade), foi pensando nisso que montei um pequeno suporte para tais testes usando um módulo DC-DC.
Com um pequeno mostrador para ver a tensão de saída no momento. Tenho ideias de montar uma pequena tampa para esse projeto, assim posso fechar ele completamente para proteger da poeira que acumula na placa, mas isso só o tempo dirá se vou mudar tudo ou adicionar a tampa.
Deixo o regulador configurado para 2,5V ~ 3V na maior parte do período, pois testo bastante LEDs que retiro de placas que desmonto.
Por hoje é isso pessoal, um abraço e até a próxima.

sábado, 14 de janeiro de 2017

Sistema de coolers automaticos para aquário - parte 2

Ola pessoal, na parte anterior dessa postagem mostrei a ideia do sistema autônomo para fazer o acionamento dos coolers do meu aquário. Após essa postagem, melhorei a ideia até chegar no projeto que lhes apresento hoje.
Continuei usando o mesmo CI LM324 que falei no último post, pois é o CI que mais tenho (e adquiri mais uns 2 nesses últimos dias desmontando uns equipamentos), então montei 2 portas de acionamento e duas de monitoramento, mas estou utilizando somente uma de cada no momento (quem sabe em um futuro venho a controlar dois aquários simultaneamente, nunca se sabe).
O circuito montado no Fritzing é mostrado a baixo:
Substituí o potenciômetro de ajuste por um Trimpot, assim o espaço necessário ficou menor ainda, e acabei mantendo o acionamento em 27ºC, mas lá pelos 26,8ºC ele já aciona o cooler em velocidade baixa e ao chegar nos 27ºC em diante vai para velocidade máxima.
A placa fiz desse formato devido ao fato que tinha uma pequena caixa de plástico do reator de uma lâmpada fluorescente, então encaixou certinho dentro, mas a próxima placa vai ser mais quadrada e então compro uma caixa patola para por a placa dentro.
Para colocar o sistema na água fiz uma adaptação na ponta do cabo onde tem o termistor, coloquei um pedaço de uns 5cm de canudo de refrigerante na ponta do cabo, pegando  termistor, seus terminais e um pedaço do fio e adicionei cola para cano dentro a fim de isolar tudo, após secar durante umas 2 a 3 horas lavei com água corrente e fiz testes em um pequeno aquário de mudas (com massa menor a oscilação de temperatura é mais rápida) e assim ficou por uns 3 dias.
Instalado (reparem a adaptação do termistor no canto direito da imagem):
Testando no aquário de mudas:
Após esses testes coloquei a funcionar no aquário e deixei por umas 3 semanas testando (ainda na protoboard), quando a placa de circuito impresso ficou pronta foi só instalar e aproveitar, chega de ir manualmente ligar/desligar o cooler do aquário para esfriar a água.
Minha única preocupação agora é repor a água evaporada, as vezes todos os dias, as vezes dia sim, dia não, depende da umidade do ar. Uma foto da versão final escondida atrás do aquário:
Aqui uma geral do aquário para matar a curiosidade:
Acho que vou montar outras placas e deixar prontas para qualquer necessidade que venha a ter, são simples, pequenas e baratas de fazer.
Por hoje é isso pessoal, um abraço e até a próxima.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

instalando SSD no notebook com Linux

Olá pessoal, faz dois dias que estou testando e utilizando o meu notebook após as modificações feitas, tenho um notebook com Linux Ubuntu com 8Gb de RAM e core i3 que levava uns 40 segundos para carregar o Ubuntu após a tela do Grub, como queria aumentar o armazenamento e o desempenho dele, comprei um SSD Sandisk (foto a baixo) para colocar no lugar do HD, e o HD foi colocado com um adaptador no lugar do drive de DVD. Aqui a foto do SSD:
 As peças prontas para a troca:
Como falado, antes da mudança o Ubuntu carregava em uns 40 segundos, agora leva menos de 10 segundos. Os programas abrem muito rapidamente e respondem de forma muito melhor.
Após pesquisar na internet e acompanhar um vídeo do Diolinux (aliás recomendo, conteúdo de primeira para os que querem saber mais, ou já gostam de Linux) vi que não é mais necessário habilitar uma função chamada TRIM, hoje ela já vem habilitada tanto em Linux (2012/2013 em diante) quanto em Windows (Windows 7 em diante), ou seja, basta plugar, e usar.
Formatei da seguinte forma meu notebook:
Deixei a partição do sistema e a swap no SSD (não isso não vai ferrar meu SSD e fazer ele parar de funcionar, pesquise antes sobre as tecnologias antes de sair espalhando notícias como essas) e no meu HD (que ficou instalado em um case no drive de DVD) ficou a partição /home onde ficam os arquivos do usuário (vulgo "Eu" kkk).
Mesmo marcando para atualizar enquanto instala, o sistema foi instalado em cerca de 7 minutos, que para mim é um recorde hehehe.
Realmente o SSD é muito bom e faz toda a diferença no computador, e com o avanço da tecnologia não tem mais mistério fazer a instalação dele, basta plugar, formatar e usar, simples assim.
Por hoje é isso pessoal, um abraço e até a próxima.